Frases Soltas: Resenha - S. / O Navio de Teseu

12 de abril de 2016

Resenha - S. / O Navio de Teseu


Esse livro é uma leitura ambiciosa, praticamente um livro de estudos, com muitos personagens e muitas informações aleatórias, que exigem a atenção do leitor. Acompanhamos o desenrolar de cinco histórias distintas e interligadas, a primeira é a de S., personagem central da história escrita por Straka (O Livro de Teseu) um homem desmemoriado que busca se encontrar. A segunda e a terceira são as dos personagens Jen e Eric estudantes de literatura que nunca se viram pessoalmente, mas que conversam, através de anotações no livro. A quarta é a de F.X. Caldeira, tradutor de vários volumes escritos por Straka e a única pessoa que talvez tenha tido algum contato verdadeiro com o autor desconhecido. E a quinta e mais importante, a história de V. M. Straka, autor famoso, envolvido em várias situações polêmicas e misteriosas e desconhecido, pelo fato de ninguém tê-lo visto pessoalmente.






A história de Straka a primeira vista é a mais importante, porque é o que desperta a curiosidade de Eric e Jen, e faz com que os dois iniciem uma pesquisa intensa e muito interessante acerca da vida desse autor que muitas pessoas queriam ver morto. Mas será que ele realmente morreu? F.X. Caldeira revela que sim em uma de suas muitas notas de tradução no livro de Teseu, mas Jen e Eric suspeitam que existe muito mais informação nessa história do que revelam os documentos encontrados e as notas do tradutor.

A história de Straka não é mais interessante do que as outras eu acontecem paralelamente. S., o personagem do livro de Teseu é muito intrigante, acorda desmemoriado em uma cidade, tendo como lembrança de sua vida somente três coisas: um papel amassado com uma letra S escrita de forma muito elaborada, uma pedra sabão e a sensação estranha de ter caído de um lugar muito alto. Ao entrar numa taverna e conversar com uma mulher que lhe pareceu familiar ele é drogado e sequestrado, indo parar num misterioso navio tripulado por marinheiros com as bocas costuradas. Algo sobrenatural que desperta uma necessidade de leitura, de descobrir quem é S. e o mistério que o cerca.

Jen e Eric estão investigando tanto Straka quanto Caldeira, e acabam revelando muito de si nas notas de rodapé enquanto o relacionamento dos dois evolui. Jen está tentando descobrir o que quer de verdade pra si, se está no caminho certo, enquanto Eric quer se provar capaz e ter justiça quanto á algumas pessoas que impediram que ele se formasse na faculdade.









F.X. Caldeira é outro personagem muito interessante, Jen e Eric o investigam, para ter mais informações de Straka e acabam descobrindo coisas intrigantes sobre o tradutor. Quem foi esse tradutor? Como foram os seus anos no Brasil? Será que ele testemunhou mesmo o possível assassinato de Straka?

Muitos mistérios cercam os personagens desse livro, e escolher a melhor forma de ler é muito importante pra não ficar perdido no meio de tantas informações. Não há uma regra de leitura, nem um “modo de fazer”, mas você vai sentir a necessidade de se organizar, por causa das muitas notas de rodapé que não seguem uma ordem cronológica aparente, você só percebe a mudança de tempo em que elas foram escritas devido ás cores das canetas utilizadas para fazer as anotações.

A melhor forma pra mim foi separar a leitura em capítulos, começando pelo livro de Teseu e a história de S. Quando eu terminava o capítulo de S., voltava novamente para o início para ler as notas de rodapé em azul e preto e os anexos, e só depois de terminada a leitura do livro todo, voltei e li as anotações em verde e laranja. Ou seja, li o livro praticamente três vezes, e ainda me restaram algumas dúvidas, aí, recorri ás várias anotações que eu fiz no meu caderninho, o que me ajudou bastante a lembrar de alguns fatos importantes J.

Quando peguei esse livro nas mãos ficou bem claro pra mim que a leitura de um livro digital nunca vai se comparar á leitura de um livro físico, principalmente um livro como esse, cheio de anexos, cartas, recortes de jornal, anotações feitas á mão, texturas. Essa leitura foi uma experiência inigualável!

Não estou dizendo que livros digitais são ruins, muito pelo contrário, acho de uma praticidade incrível, mas um livro como S. deve ser lido em sua forma física, pegando as cartas com as mãos, vendo as cores dos cartões postais brasileiros, sentindo a textura da capa que se assemelha muito às edições antigas de enciclopédias encontradas em bibliotecas. Um livro como esse é pra ser lido com calma, encher de post its, flags, grifar e fazer as suas próprias anotações nas margens, por que não? Aproveitar a experiência da leitura em toda a sua grandeza e perceber que depois de terminado, ele nunca mais caberá no Box em que veio.

Sabe aquela sensação gostosa que dá quando você consegue terminar um livro difícil? Então, é justamente a que você vai sentir quando terminar S., ou O Livro de Teseu. Ele entrou pra minha lista seleta de livros preferidos, J.J. Abrams e Doug definitivamente me ganharam com essa obra.


Leitura obrigatória pra quem quer ter suas habilidades de leitura desafiadas. Altamente recomendado!

comentário(s) pelo facebook:

2 comentários:

  1. Esse livro com certeza entrou para o meu top 5 de livros preferidos, eu queria ele a tanto tempo que já estava cogitando ler ele no original.
    Amei ele do começou ao fim e tive uma mega ressaca quando terminei, só que eu li diferente de você, preferi ler primeiro a história, depois os comentários do FXC e por último as anotações do Eric e da Jen. Achei melhor dessa forma pq não ficar perdida nos comentários do Eric ^^

    bjsss

    http://www.auniversitaria.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que fiquei um pouco perdida, era muita informação rs. Mas depois funcionou bem pra mim, também adorei o livro :)

      Obrigada pela visita!

      Excluir