Frases Soltas: Resenha: Perdido em Marte

15 de outubro de 2015

Resenha: Perdido em Marte



A tripulação da Hares 3 foi enviada a Marte pela NASA para uma missão que deveria ser rotineira. Tudo estava indo bem até que eles foram pegos por uma forte tempestade de areia, onde um de seus astronautas, Mark Watney, foi bruscamente atingido.

Seus colegas de missão o procuraram sem sucesso, e como seu traje espacial não estava captando e transferindo os sinais de que ele ainda estava vivo, ele foi dado como morto por seus colegas de expedição. A tripulação seguiu fielmente as instruções da NASA e voltou imediatamente para a Terra, deixando Mark em Marte, completamente sozinho, lutando por sua vida.

Mark não tem como se comunicar com a Terra, nem com a tripulação da Hares 3 para contar que ainda está vivo e esperar por um resgate. A sua sobrevivência dependerá não só de ele achar um meio de informar a NASA, como também de conseguir sobreviver em um veículo projetado para durar 30 dias até que a próxima expedição, a Hares 4, chegue a Marte (isso só acontecerá em 4 anos).

Mark Watney, o pirata do espaço, terá que colocar sua inteligência e instinto para trabalhar em conjunto, para solucionar problemas que podem agir diretamente na sua sobrevivência, como falta de oxigênio, comida e água.

Apesar das várias informações técnicas e descrições detalhadas sobre os procedimentos que Mark teve que fazer para produzir água, comida e as modificações nos veículos que estavam em Marte, o livro não é de forma alguma cansativo, muito pelo contrário, o instinto de sobrevivência e a capacidade de adaptação de Mark, sempre com bom humor e tentando enxergar o lado positivo das situações adversas em que se encontra, tornam a história que deveria ser trágica em um misto de otimismo e diversão, fazendo com que torçamos pelo sucesso de Mark desde o primeiro capítulo.

O livro me prendeu de uma forma impressionante, dei muita risada com os comentários sarcásticos e bem humorados de Mark quando ele se vê a mercê de usar os arquivos culturais (música, séries e livros) trazidos pela tripulação da Hares 3 para passar o tempo. Ninguém merece dirigir um veículo modificado por dias para buscar uma fonte de energia de plutônio num planeta desconhecido ouvindo Disco Music!

Mas não foram só risadas que esse livro me fez dar, a cada explosão, a cada procedimento que dava errado, eu me pegava aflita, tentando pensar junto com Mark, em uma solução que prolongasse a sua vida. Minha leitura foi intensa dede o primeiro capítulo, torci muito por ele, me apeguei muito a ele, e esperava encontrar um posfácio que me contasse sobre o depois. Infelizmente não tem, o final é o final mesmo, e me deixou querendo mais dessa história.

Faz um tempo que eu não curto tanto um livro como eu curti Perdido em Marte. Quando o filme saiu no cinema, eu me segurei pra não correr e assistir, porque tenho o hábito e ler o livro primeiro, se eu tento fazer o inverso, me desmotiva, e a leitura não flui. Acho que eu fiz uma boa escolha, porque pelo que eu vi do trailer, eles mudaram algumas coisas na história, e eu provavelmente vou ser surpreendida.

Li Perdido em Marte no Kobo. Tem gratuito no Le Livros, é só clicar aqui e baixar J

Obs: Depois que você ler o livro, a foto do post vai fazer todo o sentido, prometo!





comentário(s) pelo facebook:

4 comentários:

  1. Todas as resenhas que leio de Perdido em Marte falam super bem. Vou fazer o possível pra lê-lo este ano ainda, pois a lista de leituras está imensa rsrsrsrs

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu posso imaginar, a minha também só aumenta rs. Mas a leitura vale muito a pena, eu adorei o livro :)

      Excluir