Frases Soltas: Março agridoce

31 de março de 2015

Março agridoce

Fonte
Março pra mim foi um mês muito conturbado, negativamente falando, tanto no trabalho, quanto em casa. Eu fiquei doente (infecção urinária de repetição), meus filhos ficaram doentes (sinusite, rinite, otite), o marido ficou doente (inflamação nos dedos da mão) e a farmácia ficou mais rica e muito agradecida. Encontramos um foco de mosquito da dengue em casa, tivemos que limpar tudo, desinfetar tudo e envenenar tudo. Por essas e outras, não li tantos livros quanto gostaria, não assisti tantos filmes como costumo fazer, minhas séries ficaram meio de lado, a vida passou e eu não percebi.

Mas as adversidades deste mês me proporcionaram um momento grandioso. Eu pude ser mãe. Não que eu já não seja, mas a correria da minha rotina não estava me permitindo dar a atenção que meus filhos precisavam, nem ter as atitudes que eu prezo.

A doença das crianças me fez colocar a minha de lado, e eu pude cuidar realmente deles, ficar com eles, conversar, fazer cafuné e essa troca faz um bem danado, tanto pra mim, quanto pra eles. Estar em contato com quem se ama incondicionalmente faz maravilhas pela saúde da gente, tanto a física quanto a mental.

Escrever sempre me fez bem porque sou meio eremita, nunca fui muito boa com pessoas, sou introspectiva, e esse mês conturbado me fez perceber que tenho sentido falta desse contato humano, dessa coisa gostosa de passar um tempo fazendo nada, só ouvindo o que minha pequena fez na escola, ou sobre o campeonato de COD que meu filho assistiu no Xbox One.

Fiquei me perguntando quantas coisas boas eu venho deixando de lado porque tenho que resenhar um livro, porque tenho que acompanhar a série modinha, ou porque vai sair uma nova exposição.

Foco nas coisas simples e boas nunca foi o meu forte, sempre fui acelerada, mas aos poucos estou mudando essa realidade, observando o que eu tenho à minha volta e dando valor a isso. Afinal, importa mesmo que esse mês eu deixei meu pagamento na farmácia? Importa mesmo que eu não vou conseguir ler o lançamento do mês da editora X? Importa mesmo que eu só vou assistir ao filme tal depois que todo mundo já assistiu?

Pode parecer clichê, mas é verdade, o que importa mesmo, é amar e ser amado.


comentário(s) pelo facebook:

2 comentários:

  1. Gosto dessas reflexões, Flavinha. Espero que abril seja um mês melhor para você e sua família.

    Beijos!

    http://the-dearest-room.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Acho que temos questões em comum quanto a essa administração do tempo. Também me faço perguntas parecidas, algumas vezes num viés contrário ao seu, pois me deixo levar pelos dias e produzo muito pouco ou não o bastante quanto eu deveria de leitura, escrita, filmes e séries, dentre outras coisas. Entretanto, escrever, ler (livros, revistas, livros, blogs, notícias) e ver séries demandam tempo e em outros momentos também me ponho a pensar em quanta coisa poderia estar fazendo ao ar livre (caminhando, encontrando amigos para um café ou uma cerveja, viajando, passeando, etc), e estou preso em frente ao computador. Enfim, escolhas que fazemos.

    ResponderExcluir