Frases Soltas: Resenha: Perdão, Leonard Peacock

25 de novembro de 2013

Resenha: Perdão, Leonard Peacock

Chata dos Livros
Perdão foi um do poucos livros que me fizeram dar uma boa enrolada no trabalho para ler.

Ele mexeu com muitos dos meus sentimentos. Me fez sentir tristeza, amor, compaixão, raiva, desespero, pena, mas sobretudo dor, afinal, muitas coisas que Matthew Quick diz nesse livro, contando a triste história de Leonard são pura verdade.

Quantas pessoas não acordam de manhã procurando um sentido, um motivo mínimo que seja, para continuar vivendo, para continuar existindo? Quantas pessoas só esperam um olhar amigo, uma palavra sincera, ou um simples aconchego de mãe, mas nunca recebem?

É difícil se sentir sozinho no mundo, um estranho, até para si mesmo, tendo atitudes que nunca esperaria ser capaz de ter.

O olhar que temos sobre o mundo quando estamos assim é totalmente inesperado, totalmente diferente de quando estamos bem. A tristeza e a vontade de sumir imperam, e a hipótese de recomeçar em algum lugar diferente, ter outra chance, ter amigos de verdade, parece uma utopia muito distante.

Não passei pelo que Leonard passou, mas eu o entendo. Não concordo com a atitude drástica que ele teve, mas não julgo. A situação que ele viveu foi muito forte, e é difícil saber como eu me sentiria tendo que passar por isso.

Leonard se tornou um dos meus personagens preferidos, com todas as suas falhas, com todos os seus medos, com todas as suas gentilezas camufladas pela raiva.

Não sei se eu recomendaria este livro pra alguém pessoalmente, porque ele se tornou muito particular, como se fosse só meu. Me vi na pele do personagem em diversas situações e torci muito pra que ele desse a volta por cima, que encontrasse alguém que lhe desse apoio, que o ajudassem.


Quando for ler, se prepare pra um turbilhão de emoções e tenha paciência, leia com calma, porque o tema é pesado, e há muito nessa história para ser absorvido.





comentário(s) pelo facebook:

2 comentários:

  1. Esse livro entrou para os melhores que li em 2013 pelo simples fato de ele ser... completo. Eu gostei muito do personagem e gostei de ver como ele cresceu ao longo das páginas. Acorda com uma vontade totalmente estranha e termina com uma vontade diferente. Achei isso o máximo! Matthew Quick é, por causa deste livro, um dos meus escritores preferidos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Babi. Também gostei muito dele. Já tinha gostado do primeiro livro do Matthew, depois de Perdão, vou ler tudo que ele escrever, achei o personagem de uma profundidade incrível. Estou cogitando a releitura em breve, pq esse livro tem muita coisa pra absorver. Beijinhos

      Excluir