Frases Soltas: Resenha: A Invenção de Hugo Cabret

26 de março de 2012

Resenha: A Invenção de Hugo Cabret

Já fazia um tempinho que eu estava querendo ler este livro, antes mesmo do filme estrear no cinema e ganhar vários Oscar (Oscars ?). Estava esperando a semana terminar pra comprar, quando pimba! Ganhei de presente da sogra! Sim sim, minha sogra é um amorzinho, muito diferente das outras sogras que existem por aí. Fiquei tão feliz, tão feliz que li o livro em um dia e isso não é nenhum feito fantástico, porque apesar das 533 páginas, grande parte da obra são ilustrações.

Mas vamos à resenha?
Hugo é um garoto muito simples e humilde que teve a sua vida totalmente transformada quando seu pai faleceu em um trágico incêndio no museu em que trabalhava. O garoto teve que ir morar na estação de trens com o tio, seu único parente vivo que passa mais tempo fora de casa bebendo do que com o sobrinho. Um dia seu tio desaparece e ele tem de tomar pra si a responsabilidade de acertar os relógios da estação, para que ninguém descubra que o homem sumiu sem deixar vestígios.
Apesar da infância conturbada, Hugo vai sobrevivendo como pode, afanando uma coisa aqui e ali e conservando a esperança de que vai conseguir consertar a única coisa que ainda o liga ao seu falecido pai, um autômano que pertencia ao museu, e que seu pai estava restaurando. Hugo guarda como recordação um caderninho, onde o pai fazia as anotações do que era necessário para consertar o robô.
Um dia, quando Hugo estava tentando afanar um brinquedo numa das lojas da estação, ele se distraiu e foi pego no flagra. O dono da loja então, pegou de Hugo aquilo que ele tinha de mais precioso, o caderninho de anotações de seu pai, deixando o menino triste e perdido.
É exatamente nesse ponto do livro que a história começa a se desenvolver de forma criativa e inteligente. O livro é muito bem trabalhado e ilustrado. A grande sacada do autor, foi usar as ilustrações no lugar das palavras, descrevendo o que está acontecendo naquele momento com Hugo.
A leitura é ótima para crianças, em especial para as que tem preguiça de ler, justamente por causa da quantidade de ilustrações que compõem a obra.
Conhecemos um pouco sobre os autômatos, e muito sobre a história do cinema francês daquele período da história, especialmente sobre as obras do cineasta Geórge Méliès que se tornou até um personagem na história.
Mas qual foi a invenção de Hugo Cabret afinal?
Bom, ainda estou tentando descobrir. Acredito que ele tenha inventado um modo de sobreviver à triste realidade que ele tinha, se apegando ao que ele tinha de mais precioso, a esperança. Ele inventou um mundo, em que acreditava ser possível sobreviver a tudo sem ter que desistir de seus sonhos.
Recomendo o livro para crianças, mas para adultos, já acho que seria bem fraco porque deixa muitas pontas soltas, tem muitas informações faltando e o mistério que existe na história não atendeu às minhas expectativas. Eu achava que o segredo de Geórge seria uma coisa trágica, mas no fim, foi bem insosso.
Foi uma leitura que valeu a pena por conta das ilustrações, da quantidade de informações sobre o mundo do cinema e do Hugo, que me mostrou o quanto é importante não desistir dos nossos sonhos.


comentário(s) pelo facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário