Frases Soltas: A Zona Morta

2 de junho de 2011

A Zona Morta

John Smith é um professor de Inglês adorado por sua turma. Sempre brincalhão e descontraído, cativa a todos a sua volta. Está noivo e cheio de planos para o futuro, até que sofre um acidente que o deixa em coma por quase seis anos.
Quando ele desperta para o mundo novamente, o lugar que ele chamava de lar não é mais o mesmo. Está tudo muito mudado, as pessoas, as paisagens, a política, enfim, o mundo seguiu adiante enquanto ele dormia. Até a mulher que foi sua noiva está agora casada com outro.
Mas não foi só o mundo que mudou enquanto Johnny estava em coma. Ele também mudou.
Em decorrência do acidente, Johnny teve parte de seu cérebro afetado, uma parte chamada de zona morta. Essa parte afetada incrivelmente não lhe trouxe nenhuma seqüela, mas, no entanto, deu a Jhonny um dom. Quando Johnny toca uma pessoa, ele pode ver acontecimentos do passado e vislumbrar o futuro. Um dom que pode ser visto por muitos como uma maldição.
Johnny, agora desempregado e sem saber como retomar a sua vida após tanto tempo “fora do ar” começa a ajudar algumas pessoas e a polícia local. Isso lhe trás grande popularidade, mas também a obrigação de lidar com alguns malucos e picaretas interessados em ganhar dinheiro através dele.
Ele decide então mudar de cidade e começa a dar aulas particulares para o filho de um grande empresário. Mas mesmo tão distante da sua cidade natal, Johnny ainda tem que conviver com seu dom. Ele salva muitos amigos de seu aluno da morte e isso o deixa perturbado por um tempo.
Um dia, quando foi a um comício de um político muito popular da região, ele tem a oportunidade de apertar a mão do candidato e o que ele vê o deixa desconcertado.
Johnny viu o fim do mundo. Uma explosão nuclear catastrófica que será induzida por Stillson (o político), e como ninguém mais além dele sabe que isso vai acontecer num futuro próximo, cabe a Johnny impedir esta grande destruição.
E aí começa a grande sacada deste livro de King, que descreve com maestria as sensações e emoções vividas por Johnny, fazendo com que ele nos pareça até um pouco familiar. O personagem e sua história nos cativam, King tem o poder de nos envolver na história de uma maneira bem discreta, como quem não quer nada sabe? Quando você percebe já leu uma 50 páginas no ônibus a caminho de casa.

O final é bem imprevisível e emocionante. Não vou contar pra não estragar a surpresa de vocês! Mas foi um dos poucos finais do King que eu gostei, apesar de ser trágico e envolver a morte de um personagem como sempre né! O King não seria o King se em seus livros não tivesse uma tragédia! Rs
Li o livro que comprei na Bienal do livro em 2010 e acompanhei a série que é uma versão um pouco diferente do livro, mas ainda sim muito emocionante! Agora vou atrás do filme com um dos meus atores preferidos Christopher Walken pra ver se a adaptação foi fiel à essa história tão diferente e cativante.


comentário(s) pelo facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário