Frases Soltas: O Guia do Mochileiro das Galáxias 4 - Até Mais e Obrigado Pelos Peixes

30 de junho de 2011

O Guia do Mochileiro das Galáxias 4 - Até Mais e Obrigado Pelos Peixes

Confesso que este volume da série, ou melhor, da trilogia de cinco, foi muito mais agradável e fácil de assimilar que o anterior, mas ainda sim fazendo jus aos outros livros, foi meio sem pé nem cabeça.
Arthur está de volta ao nosso planeta, que não foi destruído, como vimos no livro passado. O surpreendente é que os Vogons realmente invadiram a Terra, mas sabe-se lá por qual razão, eles simplesmente desapareceram e nos deixaram como estávamos. Bom, melhor pros terráqueos que podem levar suas vidas como se nada tivesse acontecido, afinal a explicação absurda que eles aceitaram sem relutar, foi que tudo não passou de alucinações causadas pela CIA.
Quando Arthur está voltando para a vida que tinha antes de toda a viagem surreal que fez, ele tem um encontro inesperado com Fenchurch e seu irmão. É aí que ele conhece a mulher que realmente mexe com ele neste livro. Ele fica encantado por ela, e após eles se separarem tenta de todas as formas encontrá-la, mas isso vai levar algum tempo e vai depender de uma forcinha do destino, o que não é problema pro nosso autor, porque como já pudemos perceber nos outros volumes, nesta aventura o inesperado é esperado!
Então tudo corre no seu ritmo normal, Arthur volta pra sua casa, volta pro seu emprego e arruma explicações ridículas pra justificar seu sumiço e sua aparência oito anos mais velha, mas concordo com ele ao pensar que a verdade teria sido ainda mais ridícula.
É quando ele reencontra Fenchurch, a única pessoa que se lembra realmente do que aconteceu e não aceita a explicação dada de que se tratava de alucinações. Ela confessa a Arthur que recebeu uma mensagem pouco antes das explosões e ela vai ajudá-la a desvendar este mistério embarcando com ela e seu grande amigo Ford Prefect em mais uma viagem intergaláctica.
Bom, falar sobre essa saga é realmente complicado pra mim porque mesmo depois de ler quatro livros eu ainda não decidi se eu a amo ou se eu a odeio. Verdade seja dita, Douglas tem um talento que beira a anormalidade em criar situações estranhas e inesperadas, mas a meu ver, muitas dessas situações poderiam ter sido retiradas dos livros que não fariam falta alguma.
É realmente uma história muito confusa, mas que ficção científica não é afinal? Tem muitos elementos que são incompreensíveis, muitos jogos de palavras e o descaso ou comodidade dos personagens com as situações mais adversas e absurdas às vezes chega a ser enlouquecedor, mas ainda assim vale a pena ler nem que seja por curiosidade pelo final dessa história maluca.
Aprendi lendo Douglas que se você quiser realmente curtir essa história, tem que aceitar tudo que acontece sem questionar, sem tentar entender, como os vôos de Arthur e sua amada pelos céus de Londres, fazendo amor nas nuvens.
Foi um romance bem interessante o que aconteceu entre esses dois, um romance sem melação, mas cheio de eventos que fogem ao natural.
Marvin e Ford não apareceram tanto neste livro, e Zaphod e Trillian foram mencionados poucas vezes. Senti falta das doideras de Zaphod e seus horrores às portas falantes e computadores e Marvin estava muito mais deprimido do que de costume. Senti dó dele por ele ficar sempre tão abandonado, mas também com tamanha depressão fica complicado cativar as pessoas. Acho que o único que ele conseguiu cativar realmente, além de mim é claro, foi o colchão com quem ele fez amizade no último livro.
Vou começar a ler o último livro hoje e depois de assimilar a história como um todo, acho que nem vou decidir se gostei dela ou não, vou simplesmente ficar nessa relação de amor e ódio com esse autor que às vezes é tão ridiculamente imbecil e ao mesmo tempo tem críticas realmente brilhantes!


comentário(s) pelo facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário